Direitos Humanos

Sete marcas de chocolate são acusadas de exploração do trabalho escravo infantil

Do sítio Conexão Jornalismo, publicado em fevereiro de 2016.

http://www.conexaojornalismo.com.br/colunas/politica/geral/sete-marcas-de-chocolate-sao-acusadas-de-exploracao-do-trabalho-escravo-infantil-74-42583

*

O cacau, matéria prima do chocolate, é plantado há séculos em continentes como a América do Sul e África. Mas em alguns casos, especialmente no africano, mais precisamente na Costa do Marfim, o extrativismo tem se beneficiado da mão de obra do trabalho escravo infantil. São milhares de crianças exploradas por empresas internacionais que comercializam o desejado chocolate sem que seus consumidores se deem conta. Um processo já tramita na Justiça e nele sete empresas, entre elas a Nestlé, figuram como acusadas.

Em setembro de 2015, foi apresentada uma ação judicial (veja aqui) contra a Mars, a Nestlé e a Hershey alegando que estas estavam a enganar os consumidores que “sem querer” financiavam o negócio do trabalho escravo infantil do chocolate na África Ocidental.

Crianças entre os 11 e os 16 anos (por vezes até mais novas) são levadas e trancafiadas em plantações, isoladas, onde trabalham de 80 a 100 horas por semana. O documentário Slavery: A Global Investigation (Escravidão: Uma Investigação Global) entrevistou crianças que foram libertadas. Elas revelaram que frequentemente eram espancadas: davam murros e batiam com cintos e chicotes. “Os espancamentos eram uma parte da minha vida”, contou Aly Diabate, uma destas crianças libertadas. “Sempre que te carregavam com sacos [de grãos de cacau] e caías enquanto os transportavas, ninguém te ajudava. Em vez disso, batiam-te e batiam-te até que te levantasses de novo.”

Em 2001, a FDA queria aprovar uma legislação para a aplicação do selo “slave free” (sem trabalho escravo) nos rótulos das embalagens. Antes da legislação ser votada, a indústria do chocolate – incluindo a Nestlé, a Hershey e a Mars – usou o seu dinheiro para a parar, prometendo acabar com o trabalho escravo infantil das suas empresas até 2005. Este prazo tem sido repetidamente adiado, sendo de momento a meta até 2020. Enquanto isto, o número de crianças que trabalham na indústria do cacau aumentou 51% entre 2009 e 2014, segundo um relatório de julho de 2015 da Universidade Tulane.

Como uma das crianças libertadas disse: “Vocês desfrutam de algo que foi feito com o meu sofrimento. Trabalhei duro para eles, sem nenhum benefício. Quando comem o chocolate estão a comer a minha carne.”

As 7 marcas de chocolate que utilizam cacau proveniente de trabalho escravo infantil são:

Hershey
Mars
Nestlé
ADM Cocoa
Godiva
Fowler’s Chocolate
Kraft

Crianças são traficadas e levadas para zonas de extração
Crianças são traficadas e levadas para zonas de extração

O lado negro do chocolate

O documentário “O lado negro do chocolate”, do dinamarquês Miki Mistrati, revela este lado pouco falado sobre a guloseima mais popular do mundo. Na sua investigação, Miki chegou até Mali, na África Ocidental, onde, com câmaras ocultas, conseguiu revelar o tráfico de crianças para as plantações de cacau da vizinha Costa do Marfim.

A Costa do Marfim é o maior produtor mundial de cacau, correspondendo a cerca de 42% da produção. Empresas como a Nestlé, Barry Callebaut e Mars assinaram em 2001 o Protocolo do Cacau, comprometendo-se a erradicar totalmente o trabalho infantil no sector até 2008.

Será que o seu chocolate tem um gosto amargo?

Acompanhe Miki até à África para expor “O Lado Negro do Chocolate”:

1 resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s