Talvez

Tudo em mim se vai
Tudo o que é meu
E tudo o q'eu poderia ter sido
Inclusive o que eu sou.

De mim apenas fica
Um pouco do que fui
E um tanto do que serei
(do que, na verdade, penso em ser)

Já não tenho medo de me perder
Mas 'inda me procuro a cada instante
Por isso escrevo como quem joga
Palavras ao vento,
Conchas ao mar,
Areia no deserto...

Sou isso mesmo
E nem mesmo sei quem sou
No espelho me desconheço,
As águas não me refletem,
O fogo não ilumina
Nem tampouco aquece.

Sua voz ainda assusta
Seu nome tange os signos
Mas não encontro eco na memória.
Todavia, persiste.

Assim, a sua ausência é tão concreta:
Às vezes desencontrada
Outras, jamais acontecida.

Talvez eu explique,
Talvez não entenda,
Contudo, esta é a minha vida.






Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s