Contos, crônicas, poesias & afins

Artefato “sui generis”

Vou contar uma coisa que, ao ver este post (grande ideia, aliás!), me fez lembrar de um cara que conheci no movimento secundarista. Não lembro quem, lamento, e os amigos da juventude que estão por aqui podem me ajudar a lembrar. O próprio pode se revelar, caso queira…

O fato é o seguinte: era um cara que produzia um artefato sui generis, que usava quando queria que as aulas fossem suspensas.

Tal artefato, dizia ele, levava alguns dias para ser preparado e quando usado tinha um efeito de levar à dispensa das aulas por dois, três dias.

Esse cara batizou o artefato de “bombosta”. Como o próprio nome sugere, tinha como principal ingrediente isso mesmo que vocês devem estar imaginando: cocô.

Mas não qualquer cocô. Segundo esse cara, era preciso usar cocô humano, pois já havia feito experimentos com ingredientes de outras origens e não tinha o mesmo efeito.

A produção era bem simples (sempre segundo esse cara): ele misturava alguma quantidade de cocô e urina – de sua própria cepa – em um pote de vidro e tampava bem firme. Cavava um buraco na terra e enterrava por uns dias.

Aquela mistura fermentava e quanto mais dias ficava embaixo da terra, mais fermentava e mais mal cheirosa ficava, de forma que quando jogava no pátio da escola levava dias para o fedor sair.

O único perigo, dizia ele, é que ao desenterrar o pote de vidro ficava num nível de pressurização bem delicado.

Enfim, não é que estou dando ideia, sabe, mas lembrei disso não sei porquê…

Post

*

Publiquei a presente memória primeiramente no Facebook. Então, o camarada Marcelo Buraco fez o seguinte relato:

“O químico responsável pela peripécia na escola era o Fagner, aquele amigo do Vlad Pto filho do Toledo que morava em São Caetano. Lembro quando ele contou isso pra nós na sede. Marcelo, mano véio, nosso Camarada Fagner infelizmente veio a falecer em 2009 em Montevidéo. Lembra que ele gostava de fotografar? Comprou equipamento bom e saiu pelo continente fotografando. Durante a campanha da Frente Ampla no Uruguai onde fotografava as pessoas num comício de Tabarez Vasquez, foi convidado para atuar na campanha. Casou-se com uma brasileira que vivia lá e ficou morando. Além disto ele trabalhava com entregas como motoboy. Um dia um carro da polícia em perseguição a outro veículo, bateu em sua moto quando ele fazia entrega. Ele caiu e veio a óbito. Os camaradas fizeram um ato na sede em São Caetano em sua memória. Até hoje tem o banner com a foto dele lá”.

*

Agradeço ao Marcelo Buraco pelas informações.

Camarada Fagner, presente! Hoje e sempre! Que falta faz as suas “bombostas” neste momento!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s