Artefato “sui generis”

Vou contar uma coisa que, ao ver este post (grande ideia, aliás!), me fez lembrar de um cara que conheci no movimento secundarista. Não lembro quem, lamento, e os amigos da juventude que estão por aqui podem me ajudar a lembrar. O próprio pode se revelar, caso queira…

O fato é o seguinte: era um cara que produzia um artefato sui generis, que usava quando queria que as aulas fossem suspensas.

Tal artefato, dizia ele, levava alguns dias para ser preparado e quando usado tinha um efeito de levar à dispensa das aulas por dois, três dias.

Esse cara batizou o artefato de “bombosta”. Como o próprio nome sugere, tinha como principal ingrediente isso mesmo que vocês devem estar imaginando: cocô.

Mas não qualquer cocô. Segundo esse cara, era preciso usar cocô humano, pois já havia feito experimentos com ingredientes de outras origens e não tinha o mesmo efeito.

A produção era bem simples (sempre segundo esse cara): ele misturava alguma quantidade de cocô e urina – de sua própria cepa – em um pote de vidro e tampava bem firme. Cavava um buraco na terra e enterrava por uns dias.

Aquela mistura fermentava e quanto mais dias ficava embaixo da terra, mais fermentava e mais mal cheirosa ficava, de forma que quando jogava no pátio da escola levava dias para o fedor sair.

O único perigo, dizia ele, é que ao desenterrar o pote de vidro ficava num nível de pressurização bem delicado.

Enfim, não é que estou dando ideia, sabe, mas lembrei disso não sei porquê…

Post

*

Publiquei a presente memória primeiramente no Facebook. Então, o camarada Marcelo Buraco fez o seguinte relato:

“O químico responsável pela peripécia na escola era o Fagner, aquele amigo do Vlad Pto filho do Toledo que morava em São Caetano. Lembro quando ele contou isso pra nós na sede. Marcelo, mano véio, nosso Camarada Fagner infelizmente veio a falecer em 2009 em Montevidéo. Lembra que ele gostava de fotografar? Comprou equipamento bom e saiu pelo continente fotografando. Durante a campanha da Frente Ampla no Uruguai onde fotografava as pessoas num comício de Tabarez Vasquez, foi convidado para atuar na campanha. Casou-se com uma brasileira que vivia lá e ficou morando. Além disto ele trabalhava com entregas como motoboy. Um dia um carro da polícia em perseguição a outro veículo, bateu em sua moto quando ele fazia entrega. Ele caiu e veio a óbito. Os camaradas fizeram um ato na sede em São Caetano em sua memória. Até hoje tem o banner com a foto dele lá”.

*

Agradeço ao Marcelo Buraco pelas informações.

Camarada Fagner, presente! Hoje e sempre! Que falta faz as suas “bombostas” neste momento!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s